10 fatos curiosos sobre nanotecnologia

Por Guilherme Farias em 27 de novembro de 2010

Não conseguimos visualizá-la, mas mesmo assim a nanotecnologia está presente em vários lugares. Conheça a seguir 10 fatos curiosos sobre a nanotecnologia.

1 – É mais antiga do que muita gente imagina.
Quando a nanotecnologia começou a ser usada? tem algum palpite? anos 2000? anos 90? anos 80? a resposta é NÃO. O termo foi criado nos anos 80, MAS, a técnica de fato, já era usada desde a Idade Média, os artistas se utilizavam a nanotecnologia ao criar uma mistura de cloreto de ouro em vidro derretido.

Claro que a escala de manipulação era bem diferente da utilizada atualmente. Em 1989, o engenheiro da IBM, Don Eigler, conseguiu mover e controlar um único átomo (com a ajuda de microscópio em escala atômica é claro) Hoje em dia, os pesquisadores da Universidade de Princeton são capazes de controlar um único elétron (isso mesmo, um único elétron)

2 – Aplicação nos eletrônicos
A nanotecnologia faz toda a diferença nos eletrônicos, propriedades como cor, transparência e pontos de derretimento são diferentes em porções maiores da mesma substância. Os displays com nanotecnologia são finos e ainda deixam a imagem melhor do que aqueles equipados com LED ou Plasma.

3 – Você ainda vai comê-las
Você essas nanopartículas também podem ser usadas em alimentos? isso mesmo, para realçar cor, sabores e aumentar a validade para uso, diversos produtos alimentícios estão recebendo nanopartículas diversas.

Ainda não há uma lei que regulamente a situação, então é difícil saber quais produtos utilizam a tecnologia. Também não se sabem ainda quais são os riscos trazidos por alimentos que contenham as pequenas partículas

4 – Seu corpo vai reter alguma coisa
Quando seu corpo receber essas partículas, há uma probabilidade de que elas sejam retidas no seu organismo, em vez de ser liberadas para o ambiente. Elas são minúsculas, mas ao se acumular, podem fazer mal aos consumidores.

5 – Elas podem fazer um “tour” pelo seu corpo
Além da chance de ser acumuladas, por serem extremamente pequenas, elas não respeirtam as barreiras do corpo, pesquisadores indicam que elas podem passear pelo sangue, penetrar em células e até mesmo passear pelo seu cérebro, provocando danos.

6 – Combatendo doenças
O nosso corpo não é pareo para essas partículas, ok, mas as doenças também não são. Cientistas da Universidade de San Diego criaram nanopartículas fluorescentes que brilham dentro do corpo, facilitando a visualização de tumores ou danos a órgãos vitais.

7 – Aplicação na Odontologia
Não é só doenças complicadas que podem ser afetadas pela nanotecnologia, até a restauração de dentes podem conter nanoparticulas. Uma aplicação nesta área podia ser, por exemplo, a substituição das “massas” usadas em restaurações.

8 – Cérebro sintético
Cérebro sintético, pode até ser um exagero, mas neurônios sintéticos já são realidades, Pesquisadores da Universidade do Sul da Califórnia usam os nanotubos para criar neurônios sintéticos. A ideia é conseguir transformar os nanotubos em redes funcionais, que facilitariam os implantes cerebrais.

9 – Vista-se com a nanotecnologia
Até roupas usam a nanotecnologia, é, eu sei que é bizarro. Mas pesquisadores da Universidade Tecnológica da Georgia criaram geradores elétricos feitos de nanofios, colocando-os em pequenas jaquetas feitas especialmente para hamsters.

Quando os ratinhos corriam, os geradores fabricavam eletricidade. A ideia é transportar essas características para roupas humanas, para que você possa, por exemplo, carregar seu celular enquanto sai para correr, ou ainda, medir sua pressão arterial em um gadget conectado às batidas do coração.

O Nano-Tex, por exemplo, “reorganiza” as fibras da roupa, criando propriedades interessantes como conforto, resistência e impermeabilidade. Para isso, tecidos de algodão são mergulhados em uma solução com trilhões de nanofibras, que se fundem com o tecido da roupa. Essa “solução” também pode ser usada em panos de sofás, tapetes e o em outros tecidos.

10 – Uso na informática
Alguns usos podem parecer bizarros, mas certamente ela já faz muito para a criação de eletrônicos menores e mais potentes. Pesquisadores governamentais dos Estados Unidos criaram matrizes de nanodutos de cromo que podem armazenar dados com uniformidade nunca antes vista. O objetivo é construir chips de silicone mais complexos e integrados.

Além de condutores, pesquisas estão sendo conduzidas em Illinois, um dos centros de pesquisas moleculares, e trazem outros resultados interessantes. A nanotecnologia permite o estudo da criação de partículas que detectam mercúrio, colas eletrônicas para baratear o custo de semicondutores, máquinas de Raio-X ainda mais precisas e muito mais.

O que você achou da tecnologia? ela já está sendo aplicada em diversas áreas, você acha que ela pode revolucionar o mundo nos próximos anos? deixe sua opinião.

Comente!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>