Facebook compra empresa de óculos de realidade virtual

Por Carlos Silvio em 26 de março de 2014

oculus-rift

A rede social número um do mundo se envolveu em mais uma compra milionária: O Facebook anunciou nesta terça-feira um acordo de compra da Oculus VR, empresa que fabrica óculos de realidade virtual, incluindo o Oculus Rift, utilizado em games para PC. A transação foi avaliada em US$ 2 bilhões.

O pagamento, US$ 400 milhões em dinheiro e 23,1 milhões em ações ordinárias do Facebook, prevê ainda um adicional de US$ 300 milhões, em dinheiro e ações, caso algumas metas de produtividade sejam alcançadas. A previsão é que a transação deva ser concluída no segundo trimestre.

Segundo o Facebook, a Oculus recebeu mais de 75 mil pedidos para fornecimentos de kits do sistema do Oculus Rift para companhias interessadas em criar sistemas de realidade virtual. Segundo a rede criada por Mark Zuckerberg, as aplicação de realidade virtual estão em estágio inicial, mas já começam a extrapolar o ambiente dos games e interessar outras indústrias.

O plano inicial do Facebook é levar as vantagens do sistema para as áreas de comunicação, mídia, entretenimento e educação. “Mobilidade é a plataforma do hoje, e agora nós estamos também nos preparando para as plataformas do amanhã”, afirmou Zuckerberg, em comunicado divulgado pelo Facebook.

Promissor

Óculos de realidade virtual existem desde a década de 1990, mas os da Rift são considerados uma verdadeira evolução. Os mesmos possuem um sensor de movimentos e tela LCD de alta definição em 3D embutida.

O projeto recebeu um financiamento coletivo pelo Kickstarter de US$ 2,5 milhões. Além de um investimento de US$ 75 milhões para finalizar a versão comercial do equipamento.

A Nasa, John Carmack (criador de “Doom” e “Quake”) e Gabe Newell (fundador da Valve) são alguns dos que acreditam em um futuro promissor para os óculos da Rift.

 

“League of Legends” bane jogadores profissionais brasileiros

Por Carlos Silvio em 26 de março de 2014

league of legends
Grande polêmica no mundo do MOBA (Multiplayer Online Battle-Arena ) “League of Legends” nesta terça-feira. A Riot Games, criadora do jogo, baniu 13 brasileiros profissionais do game por cometerem atos ilegais dentro do jogo. A decisão é imediata e válida por um ano. Segundo o G1 alguns jogadores não-profissionais também foram excluídos.

Segundo a Riot, os jogadores identificados nestas atividades ilegais estavam sendo pagos por outros gamers para melhorarem suas contas, o que é chamado de “Elo-boosting” e “viola o código de conduta do jogo”. Com essa “pequena ajuda”, resultado de vitórias, melhorias de personagens e outras habilidades, era possível chegar a níveis mais altos no jogo.

“A intenção desta punição é reformar estes jogadores e conscientizá-los de suas ações. O ‘Elo-boosting’ prejudica a experiência dos jogadores em todos os níveis, levando jogadores menos habilidosos a confrontar um oponente muito superior (booster) e também leva jogadores menos experientes a serem colocados em partidas com nível muito avançado, prejudicando a experiência de todos na partida”, explica Philipe Monteiro, gerente de eSports da Riot Games Brasil, ao G1.

Entre os banidos, cinco integrantes da equipe Seven Wars (que chegou a partipar das semifinais do campeonato Intel Extreme Masters em janeiro na cidade São Paulo durante a Campus Part), que era patrocinada pela fabricante de placas de vídeo Nvidia na ocasião.

20140128_lol01

Integrantes da Seven Wars, equipe que chegou à semifinal do campeonato do game dentro da última Campus Party, foram banidos

Vigilância

A Riot Games é atenta em relação a denúncias realizadas por jogadores sobre atos ilegais dentro dos games. “Todos os casos são analisados rigorosamente. Vale ressaltar que esta é uma prática comum em nosso jogo. Periodicamente suspendemos contas de jogadores, tanto amadores como profissionais, visando a melhoria na experiência de nossos jogadores” afirma Monteiro.

(Via G1)

Google Now chega ao Chrome

Por Carlos Silvio em 25 de março de 2014

googlenowforchrome
Finalmente o Google Now, assistente pessoal do … Google, chegou oficialmente ao Chrome. O sistema estará disponível para todos os usuários em algumas semanas, juntamente com a versão final do navegador da companhia.

Parte integrante das novas versões do Android, o Google Now é um inteligente sistema de notificações. Depois de chegar como app também para iOS, o serviço chega também aos computadores.

Só é preciso que o usuário inicie o navegador, faça o login no Chrome (preferivelmente com a mesma conta utilizada no aparelho) e assim ter acesso aos cards. Notificações mostradas no desktop são bem parecidas com as dos celulares, incluindo informações sobre tempo, esporte, lembrete de compromissos e também informações sobre trânsito.

Como uma parte das notificações são apresentadas com base na localização do celular, quando estiver rodando no desktop, o Now irá considerar que a pessoa está utilizando o navegador com o celular próximo.

Sempre é possível desativar o Google Now, basta clicar no ícone em formato de sino localizado no canto direito inferior da tela, depois desmarcar a opção “Google Now”.

Iba oferece serviço de assinatura mensal ilitimada para revistas

Por Carlos Silvio em 25 de março de 2014

size_460_Iba-Tablet-Notebook-2014-03
O Netflix e o Spotify andam fazendo escola e a onda do streming promete ir além da música, filmes e séries. O iba, loja de revistas e outras publicações do grupo Abril (incluindo livros), agora oferece uma opção de assinatura onde é possível ler um número ilimitado de revistas.

O primeiro mês do Iba Clube é gratuito, depois o usuário passa a pagar uma assinatura mensal de 19,90, que funciona da seguinte forma: O usuário escolhe quatro revistas mensais e tem acesso a toda a coleção dela, podendo ler livremente suas edições.

Para quem quiser ter acesso à revistas semanais e quinzenais, como a VEJA e a EXAME, o usuário paga mais R$ 11,70 mensais.

Segundo Ricardo Garrido, diretor de operações do Iba, o serviço já recebeu quase 2 mil adesões. “Um ótimo número para esse mercado” completou.

As revistas digitais podem ser lidas através de apps para iPhone, iPad, tablets com Android, PCs e Mac.

BAFTA Games Awards elege “The Last of Us” o melhor game de 2013

Por Carlos Silvio em 14 de março de 2014

TLOU1

Concorrendo em 10 categorias e o mais forte entre os favoritos, “Last of Us” (criado pela Naughty Dog e exclusivo para PS3) recebeu da British Academy of Film and Television Arts, a BAFTA, o prêmio de melhor game de 2013. O título também levou pra casa o título de melhor performance para a atriz Ashley Johnson (que interpreta Ellie), melhor jogo de aventura, excelência em áudio e melhor história.

“Last of Us” traz ao jogador um mundo cruel onde alguns seres humanos passarem por uma infecção e se transformaram em monstros. Em meio ao caos, os sobreviventes tentam continuar suas vidas.

Outro competir forte na premiação, GTA V, levou o BAFTA de melhor jogo desenvolvido por um estúdio britânico, game design e melhor multiplayer.

Confira os vencedores do BAFTA dos games:
– Game do ano: “The Last of Us”;
– Música: “BioShock Infinite”;
– Game de ação: “The Last of Us”;
– Estratégia: “Papers, please”;
– Inovação: “Brothers: A Tale of Two Sons”;
– Arte: “Tearway”;
– Portátil: “Tearaway”;
– Áudio: “The Last of Us”;
– Game promissor: “Size Does Matter”;
– Partida on-line: “Grand Theft Auto V”;
– Game britânico: “Grand Theft Auto V”;
– Estreia: “Gone Home”;
– Esporte: “FIFA 14″;
– Família: “Tearaway”;
– História: “The Last of Us;
– Prêmio especial: Roskstar Games;
– Design: “Grand Theft Auto V”.

Página 10 de 511« Primeira...89101112...203040...Última »